Cotação do dólar acumula alta pelo segundo ano consecutivo em 2012

Dezembro 29th, 2012

Resumo da evolução da cotação do dólar no mercado de câmbio brasileiro ao longo de 2012.

Em meio a medidas do Ministério da Fazenda e do Banco Central, o dólar ultrapassou a barreira dos R$ 2,00 no dia 15 de março – patamar que não era alcançado desde 10 de julho de 2009.

Mas a escalada da moeda ganhou força no final do ano e, depois que o dólar ameaçou encostar em R$ 2,14 no fim de novembro, o BC abriu fogo contra a valorização e usou diversas armas para reverter esse movimento.

Diante de um período sazonal de maior saída de dólares do país, a autoridade monetária realizou diversos leilões de venda de dólares com compra conjugada para prover liquidez ao mercado, além de anunciar medidas para incentivar a entrada de dólares no país, ações que indiretamente também ajudaram a influenciar a taxa de câmbio.

Na última quarta-feira do ano, no entanto, o BC surpreendeu o mercado ao fazer dois leilões de swap cambial tradicional – equivalentes a venda de dólares no mercado futuro– mesmo com a moeda em queda e em torno de R$ 2,07, nível em que operadores já viam uma estabilização para o fim do ano.

Analistas acreditam que recentes sinais de pressão sobre os preços pesaram e por isso a autoridade monetária intensificou o controle sobre o câmbio.

Como existe a vontade de deixar a taxa de juros estável na mínima histórica de 7,25% em 2013, o dólar muito valorizado poderia ser um grande vilão para a inflação no ano que vem.

Interpretação

O Banco Central tem que monitorar a inflação e a variação cambial. A perspectiva para 2013 é de que os juros permaneçam estáveis e a inflação dentro da meta esperada. Também há muita preocupação com o nível de endividamento externo das empresas brasileiras, que aumentou significativamente ao longo de 2012 devido à valorização do dólar.

The End

Cotação do dólar em alta no último pregão de 2012

Dezembro 29th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 28 de Dezembro de 2012.

No último pregão oficial de 2012, cotação do dólar frente o real registrou leve alta de 0,05%, fechando cotado em R$ 2,0447 para a venda. No ano, a moeda norte-americana acumulou valorização de 9,4% – ao final de 2011, o dólar era vendido a R$ 1,869.

A cotação da moeda norte-americana oscilou bastante durante o pregão desta sexta-feira, que não registrou qualquer intervenção por parte do Banco Central.

Oficialmente, esta foi o último pregão do ano no mercado de câmbio brasileiro. Na segunda-feira (31 de Dezembro de 2012), porém, haverá operações de câmbio no mercado à vista em horário reduzido.

The End

Cotação do dólar cai novamente em dia sem intervenções do Banco Central

Dezembro 27th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 27 de Dezembro de 2012.

A cotação do dólar frente o real registrou nova queda no pregão desta quinta-feira, fechando cotado em R$ 2,0436 para a venda – desvalorização de 0,34%.

Segundo analistas do mercado, a nova queda foi gerada pela forte atuação do Banco Central (BC) durante o pregão do dia anterior, quando a instituição realizou dois leilões de swap cambial tradicional, além de uma operação de venda de dólares com promessa de recompra. Como resultado, a moeda americana sofreu a maior desvalorização dos últimos seis meses.

Interpretação

O Banco Central chegou à conclusão de que de que o dólar valorizado não beneficia a economia brasileira, constituindo-se no maior vilão dos últimos registros de alta da inflação no país.

Vários indicadores de inflação têm mostrado aceleração recentemente e as previsões do mercado para 2013 não são otimistas. Segundo o relatório Focus desta semana, a projeção para inflação em 2013 foi ligeiramente elevada para 5,47%, ante 5,42% projetados na semana anterior, acima do centro da meta de inflação do governo de 4,50% pelo IPCA.

Nos últimos anos, o governo brasileiro reclamou abertamente das intervenções cambiais realizadas por países como Estados Unidos e China que mantinham suas moedas artificialmente desvalorizadas, prejudicando diretamente as exportações brasileiras. Nos últimos meses, no entanto, o governo vem interferindo constantemente na cotação do dólar, tentando mantê-lo cotado entre R$ 2,00 e R$ 2,10, através da realização de uma série de leilões de venda de dólares com recompra conjugada, o que reforça as interpretações no mercado de que o BC está preocupado com os efeitos da desvalorização do real sobre a inflação.

The End

Cotação dólar tem forte queda em dia de baixo volume e forte atuação do Banco Central

Dezembro 26th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 26 de Dezembro de 2012.

Após um pregão com baixo volume de negócios, a cotação do dólar frente o real caiu fortemente nesta quarta-feira, fechando cotado próximo à R$ 2,0505 para a venda – desvalorização de 1,39%.

Durante o período da manhã, o Banco Central do Brasil (BC) realizou dois leilões de swap cambila tradicional – que equivale à venda de dólares no mercado futuro – intensificando o movimento de queda da moeda americana. No total, o BC vendeu 37 mil contratos de swap cambial tradicional nos dois leilões que realizou nesta manhã, ofertando até 40 mil contratos em cada operação, todos com vencimento em 1º de fevereiro de 2013. Neste mês, não há vencimentos de swap.

No dia 7 de dezembro passado, após o fechamento do mercado de câmbio, o BC havia feito pesquisa de demanda nas mesas de câmbio para leilão de swap tradicional, mas não chegou a realizá-lo. A última vez em que efetivamente em realizou leiloes deste tipo foi no dia 3 de dezembro, executando também duas operações.

Interpretação

A cotação do dólar já vinha em movimento de queda após a volta do feriado de Natal. Logo após a abertura do mercado, o Banco Central realizou mais um leilão de venda de dólares com compromisso de recompra. Mesmo sem qualquer sinal de reversão do movimento de queda do preço da moeda americana, o BC resolveu pesar a mão e executar dois leilões de swap cambial tradicional, empurrando a cotação da moeda americana para a casa dos R$ 2,05 – claramente um sinal de que o dólar na casa dos R$ 2,10 poderia ser nefasto para as contas do governo.

Na avaliação do mercado, o BC intensificou sua atuação com receio de impacto mais forte do câmbio nos preços no ano que vem. A inflação ainda tem rodado em patamares elevados e há fatores que podem pressionar ainda mais 2013, como um aumento de preços de combustíveis.

Em dezembro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial no país, subiu 0,69%, maior avanço desde maio de 2011 (+0,70%), ante alta de 0,54% em novembro. Com isso, fechou o ano com avanço de 5,78%, acima do centro da meta do governo, de 4,5% pelo IPCA.

O governo já vinha tomando medidas que facilitam a entrada de dólares no país, além do BC ter realizado uma série de leilões de venda de dólares conjugados com compra nos últimos dias. Esses leilões, chamados de “leilões de linha” dão maior liquidez para o mercado no final do ano, período que costuma ter maior escassez de dólares.


The End

Pregão de Natal é marcado por baixo volume de negócios e cotação do dólar praticamente estável

Dezembro 26th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 24 de Dezembro de 2012.

Após um pregão com horário reduzido (o mercado de câmbio operou apenas entre 9:00h e 12:00h), cotação do dólar frente o real subiu levemente nesta segunda-feira véspera de Natal, fechando cotado próximo à R$ 2,07 para a venda.

Durante o pregão reduzido, pouquíssimos negócios foram registrados, mantendo o dólar próximo do patamar registrado na sexta-feira passada e em meio à expectativa de investidores sobre uma solução para o impasse para o chamado “abismo fiscal” dos Estados Unidos.

The End

Negociações sobre o abismo fiscal nos Estados Unidos não avançam e cotação do dólar sobe após três quedas seguidas

Dezembro 26th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 21 de Dezembro de 2012.

Após três pregões seguidos em queda, cotação do dólar frente o real subiu nesta sexta-feira, fechando cotado à R$ 2,0738 para a venda – uma valorização de 0,47%. Na semana, contudo, a cotação da moeda americana acumula desvalorização de 0,53% e, no mês, 2,67%.

Nesta sexta-feira, o BC realizou mais um leilão conjugado, com taxa de corte de 2,084450, mas o mercado de câmbio brasileiro não reagiu bem frente à demora para concretização do acordo fiscal americano. A expectativa é de que o acordo apenas ocorra após as festividades do Natal.

O líder republicando John Boehner não conseguiu apoio do partido ao seu “plano B” para fazer um acordo com o presidente Barack Obama. A sua tentativa atrapalhou o andamento das negociações para evitar o chamado “abismo fiscal” – cortes de gastos e aumentos de impostos que entrarão automaticamente em vigor no início do ano que vem, empurrando o país para uma recessão.

Operadores também acreditam que há um movimento de ajuste técnico no mercado de câmbio antes do Natal, com volumes reduzidos.

The End

Banco Central ajusta prazo de leilão de venda e cotação do dólar cai pelo 3º dia seguido

Dezembro 26th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 20 de Dezembro de 2012.

Pelo terceiro pregão seguido, a cotação do dólar frente o real caiu nesta quinta-feira, fechando cotado à R$ 2,064 para a venda – uma queda de 0,31%.

Mais uma vez, o Banco Central (BC) atuou promovendo um novo leilão de venda de dólares conjugado com compra, com liquidação no dia 1º de março de 2013. O volume colocado à disposição foi de US$ 2 bilhões. Desta vez, o BC ampliou o prazo da oferta para 90 dias, produzindo uma melhor convergência da expectativa de queda da pressão compradora da moeda americana.

Além disso, a demanda pela moeda norte-americana pode estar diminuindo, após ter crescido bastante neste final de ano, época que sazonalmente há mais necessidade de dólares.

O BC tem tomado outras medidas, como a que anunciou na última terça-feira, quando facilitou a formação de posição vendida em câmbio – quando investidores apostam na queda do dólar ante o real. O mercado vem avaliando que o BC não quer o dólar muito elevado, acima de R$ 2,10, para evitar pressões inflacionárias.

No exterior, o foco continua no abismo fiscal dos Estados Unidos, um conjunto de cortes de gastos e aumentos de impostos automáticos que pode atingir a maior economia do mundo no início do ano que vem e precisa ser evitado com um acordo no Congresso.

Interpretação

As medidas que o Banco Central vem tomando há alguns dias e os leilões conjugados estão fazendo o mercado seguir essa tendência de queda. O BC acertou ao calibrar melhor o prazo das ofertas de leilões de dólares conjugados, e, com isto consegue fazer funcionar o sedativo pretendido na contenção da forte pressão altista do preço da moeda americana.

A sinalização é de que o BC acredita que em 30 dias o fluxo cambial deve melhorar com as reversões normativas que praticou nos Pagamentos Antecipados de Exportações e no prazo mínimo de Empréstimos Externos com agravo do IOF de 6%, o que, pela reação, não tem a mesma expectativa por parte dos bancos. Ampliando a oferta para 90 dias, houve uma melhor convergência desta expectativa.

The End

Medidas adotadas pelo Banco Central dão certo e dólar fecha em baixa

Dezembro 19th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 19 de Dezembro de 2012.

As medidas adotadas pelo Banco Central (BC) nos últimos dias com o intuito de prover maior liquidez ao mercado brasileiro de câmbio e tentar conter o fluxo negativo de dólares – bastante comum nesta época do ano – vêm dando certo. Nesta quarta-feira, a cotação da moeda americana frente ao real fechou em queda de 0,89%, cotada a 2,0705 na venda.

O BC vem promovendo uma série de leilões de linha – leilão de venda de dólares com compra conjugada – nos últimos dias, provendo maior liquidez da moeda americana durante o mês de Dezembro, tradicionalmente um mês de fluxo cambial negativo por conta da forte procura pela moeda americana pelas pessoas físicas que pretendem viajar ao exterior e pela remessa de lucros das empresas de capital estrangeiro. Até o dia 14 de Dezembro, US$ 4,215 bilhões já haviam deixado o país.

Nesta quarta-feira, o BC fez um leilão desse tipo com taxa de corte de R$ 2,1105.  Diferentemente dos outros leilões, o BC divulgou já no anúncio da operação essa taxa de corte, o que, segundo operadores, teve a intenção de atrair demanda.

Interpretação

Apesar da forte pressão compradora de dólares, o mercado de câmbio brasileiro entendeu que o governo adotará todas as medidas necessárias para manter a cotação do dólar entre R$ 2,00 e R$ 2,10.

The End

Banco Central atua novamente e dólar fecha em leve baixa

Dezembro 18th, 2012

Análise do Mercado Brasileiro de Câmbio em 18 de Dezembro de 2012.

Em mais uma tentativa para manter a cotação do dólar abaixo do teto teórico de R$ 2,10, o Banco Central do Brasil (BC) atuou efetivamente sobre o mercado de câmbio, alterando as regras do compulsório bancário e promovendo novos leilões de linha.

Nesta terça-feira, 18 de Dezembro de 2012, a cotação da moeda norte-americana frente ao real brasileiro fechou com queda de 0,36% (R$ 2,089), após um período inicial de forte instabilidade quando o dólar chegou a atingir R$ 2,1021 na máxima do dia.

Apesar do forte e contínuo fluxo de dólares para fora do país, o Banco Central conseguiu ser efetivo ao anunciar , antes da abertura do pregão, uma medida que pode favorecer a queda do dólar: a partir da próxima quinta-feira, os bancos poderão assumir posições vendidas de até US$ 3 bilhões sem recolher compulsório bancário. A regra atual previa a penalidade a partir de US$ 1 bilhão. Tal medida tende a facilitar a formação de posição vendida em câmbio – quando investidores apostam em queda do dólar ante o real.

Essa ação segue o objetivo de outras medidas anunciadas no começo deste mês para prover mais liquidez ao mercado cambial brasileiro. O BC já havia facilitado o financiamento ao exportador, enquanto o governo havia reduzido a incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre empréstimos em moeda estrangeira.

Além das medidas, o BC tem realizado frequentemente leilões de venda de dólares no mercado à vista com compromisso de recompra, também chamados de leilões de linha. Somente esta semana, a autoridade monetária já fez cinco leilões desse tipo. Só nesta terça-feira, o Banco Central realizou três leilões com o intuito de prover mais liquidez ao mercado, que sofre de uma escassez sazonal de dólares devido a remessas de lucros e dividendos.

Interpretação

O BC vem se empenhando para manter a cotação do dólar em até R$ 2,10. Apesar de ser favorável às exportações brasileiras e ao saldo da balança comercial, o BC está bastante preocupado com os possíveis efeitos que uma alta brusca do dólar possa gerar sobre a inflação. Já houve uma mudança significativa de patamar com o dólar saindo de R$ 2,03 para perto de R$ 2,10, desta forma o BC está administrando o câmbio na medida que ele identifica que há excessos no movimento da moeda.

Saída de dólares para o exterior em Dezembro de 2012 já é a maior em dois anos e meio.

Até o momento, até o dia 14 de Dezembro de 2012, US$ 4,21 bilhões já deixaram  o Brasil – maior retirada de recursos do país desde Junho de 2010, cujo fluxo cambial negativo foi de US$ 4,27 bilhões.

No fim do ano, as empresas e pessoas físicas elevam um pouco sua demanda por moeda norte-americana, geralmente relacionadas com remessas de lucros e dividendos ao exterior e com viagens de fim de ano de turistas brasileiros. A saída de recursos do país, teoricamente, favorece a alta do dólar. Isso porque, com menos dólares no mercado, seu preço tenderia a ficar maior.

The End

Banco Central altera regra do compulsório para tentar impedir alta do dólar

Dezembro 18th, 2012

Nesta terça-feira, o Banco Central do Brasil (BC) publicou uma circular que altera a regra de recolhimento compulsório bancário sobre posição vendida de câmbio, para que os bancos possam assumir essa posição no montante de até US$ 3 bilhões sem a incidência de alíquota de 60% de compulsório - mais uma medida para prover maior liquidez ao mercado de câmbio, num momento de escassez da moeda americana neste final de ano e após o dólar voltar a se aproximar do patamar de R$ 2,10.

A medida começa a valer na próxima quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012. A incidência da alíquota só valerá para os valores acima de US$ 3 bilhões. Até então, o limite para posição vendida de câmbio, que é quando os bancos apostam na queda do dólar, era de US$ 1 bilhão.

A avaliação do mercado tem sido de que o Banco Central do Brasil voltou a defender o teto informal de R$ 2,10, já que intensificou a sua atuação desde o início do mês por entender que uma alta excessiva da moeda pode ser prejudicial para a inflação.

The End